terça-feira, 10 de abril de 2012

Por uma leitura da leitura

Vejam o texto do Sergio Rivero para contraponto com a pesquisa "Retratos da Leitura no Brasil".

Por uma leitura da leitura

De volta do seminário Retratos da Leitura do Brasil, em Brasília, onde foi apresentada a terceira edição de uma pesquisa quantitativa sobre um tema sempre preocupante, volto estarrecido. Nem tanto pela pesquisa, que pouco se diferenciou das edições anteriores (2000 e 2007), mas preocupado, sim, com a limitação dos conceitos que hoje ainda permeia o que chamamos de ‘Leitura’.

Sou cria do hoje agonizante Programa Nacional de Incentivo à Leitura, o PROLER, que vai sumindo do mapa por falta de um QG (tal como funcionava a Casa da Leitura, entre 92 e 96) que o conecte de novo em rede, e que o faça resgatar seus tempos áureos de Política Pública nascida da sociedade civil. Pois bem, lá, há quase vinte anos atrás, imersos na ‘Leitura de Mundo de Paulo Freire’, espaço terno de acolhimento para todas as linguagens, o que nos bastou fazer era ampliar os conceitos de leitura e texto, trazer todas as linguagens para o exercício pleno da produção dos sentidos, destacando a literatura como trampolim para a reflexão, e contribuir na formaçao de mais e mais cidadãos. Era simples assim.

Hoje vejo que do muito que já se falou lá atrás, ainda falam de novo, e falam como se fosse novidade. Mas, se formar leitores é tarefa árdua, sempre vão merecer destaque − e é claro que o PROLER é a inspiração − todas as iniciativas em todos os espaços da sociedade, sem distinção. Vejo o Estado brasileiro com excelentes ações neste sentido, iniciando políticas que hão de se tornar mais densas se não forem atropeladas por novas gestões desconectadas do bem público; e vejo a sociedade civil prosseguindo em seu silencioso trabalho de formiguinha incansável.

Por isso me surpreendo quando no tal seminário, de dentro do próprio MinC, ouço dizerem que é uma bobagem a ‘desescolarização da leitura’. Eu poderia citar pelo menos uns dois programas, que me lembre sem nenhum esforço, capitaneados hoje pelo MinC, e que trabalham a leitura, não na escola, como a obviedade espera, mas na vida em sociedade.

Acho necessário explicar que este conceito da ‘desescolarização’, abertamente usado pelo PROLER que experimentei, não pretende tirar da escola sua responsabilidade, mas, por outro lado, urge, mais do que nunca, incluir a escola, leia-se a Educação, no campo maior que certamente a contém e não a rejeita: o da Cultura.

Se fazemos isso, fica claro que a responsabilidade pela leitura é de todos. Já na escola, sabemos, a leitura é sempre matéria-prima de todas as disciplinas que compõem as grades curriculares do ensino, em todos os níveis escolares, do fundamental ao superior. A leitura é muito claramente o lugar comum dos saberes.

A limitação de conceitos como texto e leitura, que ficam amarrados ao texto escrito, bem como ao letramento, como únicas referências possíveis, o que parece funcionar, unicamente, como uma espécie de tábua de salvação para alguns profissionais, é o que também acaba justificando que muitos leitores, entrevistados na referida pesquisa, digam ingenuamente que não leem mais, pois já saíram da escola.

Vejo também que toda a munição pesada que o Estado brasileiro dispara na direção da inclusão digital, lugar pleno das multimidiações, não surtirá nenhum efeito se permanecermos arcaicos em discursos que parecem existir para defender zonas de profundo conforto, ainda separando, teimosamente, aqueles que sempre merecem estar em constante diálogo. O mundo está aí todinho para ser lido, mas, em tempos de parecer o que não somos, vamos apenas carregando, muito prosas, em arrojadas mochilas, toda esta tecnologia fashion que o nosso tablet da hora ostenta. E é só.

Entre a ‘escolarização do pavor de ler’, e a banalização da leitura, por todos os cantos e recantos da sociedade, fico com a segunda opção.

Que a leitura se perca na cidade. Que assim, acertadamente errante, empoderada de todos os textos do mundo, seja em que linguagem forem eles concebidos, a leitura possa construir sua autonomia e maturidade. E que ela encontre, para recebê-la, também em constante renovação, uma escola mais integrada ao ato de ler o mundo.

Sérgio Cerviño Rivero é Arquiteto, Mestre em Teoria Literária, Doutor em Comunicação e Assessor para as Políticas Públicas do Livro e da Leitura da Fundação Pedro Calmon/Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.

Nenhum comentário: